Quando não se tem mais humanidade.

Mais publicações de mensagens privadas dos integrantes da força-tarefa da Lava Jato foram publicadas hoje cedo (27/08/19), deixando visível a conduta anti-ética e totalmente desumana de pessoas que, se valendo das posições ocupadas, não tiveram o menor constrangimento de utilizar seus poderes na justiça com o objetivo político.

Abaixo segue o vídeo publicado pela UOL Notícias, 27/08/2019 às 08h37.

A comoção é enorme, nas redes sentimos as pessoas com tamanha indignação e nojo, se perguntam o que ainda fazemos nos nossos lares, trabalhos, o que nos mantem nesse cotidiano aprisionador, sem reações legítimas do povo que foi sufocado pelas fake news, por ações da Justiça, que motivadas por fins políticos, ludibriaram com Power Point e notícias enganosas, com a mídia golpista que incutiu no imaginário coletivo uma figura destorcida da realidade, criando um herói e seu “bandido de estimação”.

É tanta atrocidade que faltam palavras, faltam atitudes, diante de evidências tão duras, diante da inércia dos governantes que para se manter no poder, prorrogam a farsa, bombardeiam os noticiários com declarações estapafúrdias, como estratégia de “cortina de fumaça”, para levar ao esquecimento fatos importantíssimos, que em qualquer parte do mundo, levaria os envolvidos para o tribunal.

Outra pergunta nas redes, e essa fazemos constantemente, porque nosso ex-presidente Lula da Silva ainda se mantém preso político?

Uma coisa é certa, foi desvendado a verdadeira face do ex-juiz Sergio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, que ficarão na história como personagens que fraudaram a Justiça Brasileira e manipularam a opinião do público contra o PT, ajudando a preparar o terreno para o impeachment de Dilma em 2016, a prisão de Lula em 2018, e a vitória de Bolsonaro nas eleições para Presidência da República.

Preta Ferreira, presa junto com sua família no dia 24 de junho. Entenda o porquê.

Janice Ferreira da Silva, mulher, preta, pobre e ativista dos direitos à moradia em São Paulo. Formada em Publicidade, Janice, também conhecida como Preta Ferreira, deu rosto e voz para vários Boletins Lula Livre.

Preta foi presa juntamente com o seu irmão, Sidney Ferreira, sem terem cometido crime algum. O Estado acusa Preta e seu irmão, de extorsão, por cobrança de taxa de moradores de condomínios ocupados no Centro da capital paulista. O processo não leva em consideração que as contribuições são decididas em assembleias, com registro em cartório e comprovadas por recibo.

Em entrevista para a Rádio Brasil Atual e à TVT, Preta afirma que não é bandida, que sempre trabalhou e está presa por ser preta, pobre e integrante de um movimento que luta por moradia, o MSTC e a FLM, onde sua mãe, Carmen Silva é líder. Preta Ferreira está presa por lutar pelo direito de ter uma moradia, que é constitucional. Mas o que a prisão de Preta e Sidney Ferreira representa, se não a criminalização dos movimentos sociais promovido pela extrema-direita?

Preta desabafa ainda para a repórter Nahama Nunes que “ninguém ocupa porque quer. Ocupamos por necessidade, para não morrer de frio. Não somos vândalos.” A defesa de Preta alega que não tiveram acesso completo ao inquérito e que absurdamente a justiça vem negando os Habeas Corpus que são impetrados.

A apresentadora do Boletim Lula Livre ainda denuncia que foi intimidada por um delegado e um carcereiro. “O delegado disse que era de direita e que o ano que vem ia se candidatar e quem era do PT tinha que se foder”.

Desde que foi presa, Preta tem recebido apoio dos artistas Chico César, Ana Cañas, Maria Gadú e outros, que estiveram no DEIC. Preta Ferreira, mesmo indignada afirmou que vai sair de lá mais forte, que vai lutar duas vezes mais do que já lutava. Preta representa todos nós, vamos lutar por Preta e Sidney Ferreira, vamos denunciar a prisão política de Lula, vamos continuar perguntando pelos mandantes do assassinato de Marielle e Anderson. Vamos seguir em frente! #PretaFerreiraLivre #LulaLivre

O Meio Ambiente Sangra

Pelo ministério do meio ambiente já passaram nomes como Henrique Brandão Cavalcanti, Gustavo Krause, José Sarney Filho, Marina Silva, Carlos Minc, Isabella Teixeira, entre outros. Mas nenhum tão nocivo ao Meio Ambiente como o atual ministro, Ricardo Salles.

Quem é Ricardo Salles? Nascido em 1975, Salles é advogado de formação pela Mackenzie, em São Paulo. Já foi filiado ao PFL/DEM(2006-2018), de onde saiu para integrar ao NOVO, partido do João Amoedo. Em 2006, Salles fundou o MEB (Movimento Endireita Brasil), organização alinhada à extrema direita e parceira do Instituto Millenium. Salles defende o liberalismo econômico, a diminuição do Estado e o fim dos mecanismos que limitem liberdades individuais.

Em 2007, junto com o MEB, Salles declarava oposição ao Presidente Lula e também negava alinhamento com o PSDB. Anos depois, tornou-se secretário particular do então governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. Salles concorreu por duas vezes ao cargo de dep. estadual (DEM) federal (NOVO), porém não foi eleito. Salles se diz defensor da pena de morte (vedada pela CF/88), contra o uso de drogas e o aborto, contra a esquerda e os movimentos sociais.

Em 2012, ingressou no senado com um pedido de impeachment (arquivado) contra o Min. do STF, Dias Toffoli. Em 2017, quando secretário do meio ambiente em SP, Salles precisou se afastar alegando problemas pessoais, ao ser investigado pelo MP por enriquecimento ilícito.

Em 2018, Ricardo Salles foi condenado por improbidade administrativa e teve a perda dos seus direitos políticos por três anos. Mesmo assim foi escolhido por Jair Bolsonaro para assumir o Ministério do Meio Ambiente.

Em janeiro de 2019, uma liminar que tinha como objetivo, impedir a posse de Salles como ministro, foi negada sob o argumento de que não havia condenação em segunda instância, o que garante a permanência de Ricardo no Ministério.

Dito tudo isto, fica claro que temos à frente de um dos mais importantes ministérios do governo, um homem perigoso, condenado, que não fará nenhum esforço para estancar o desmatamento da Amazônia e fará o que for possível para favorecer o agronegócio.

Vamos as RUAS, chega de inércia.

Enquanto a esquerda brasileira resiste (propriedade de um corpo que reage contra a ação de outro corpo), a extrema-direita procura agir (tomar providências; atuar, fazer). Não ficou claro ainda para as nossas lideranças e militantes que o “grande acordo nacional, com o Supremo, com tudo!” está em pleno funcionamento. Que eles não resistem, eles agem, atuam, fazem de tudo para que nós, partidos, filiados, movimentos sociais e coletivos apenas possamos resistir como barcos em alto mar contra a forte onda que vem e bate, nos lançando cada vez mais longe da praia, que seria o nosso destino.

Até quando permaneceremos em um estado de inércia, resistindo, parados enquanto eles agem e fazem de tudo (criam fakenews, utilizam o judiciário, jornalismo com horas sem fim de notícias negativas) para acabar com a nossa história, credibilidade, energia, força, saúde mental? Já fomos melhores e somos melhores, mas estamos parados, inertes, esperando… apenas esperando o pior, sempre, para mais uma vez, RESISTIR.

Já passou da hora de AGIR e tomar o protagonismo que a rua nos dá. De começar a mobilizar no bairro, no semáforo, na praça, na escola, na faculdade, no posto de saúde, no ônibus, no trem, no metrô. Está na hora de sairmos da posição de resistentes e passarmos para a condição de agentes ativos. Viveremos no Twitter, no Facebook, Instagram, só nas redes, até quando???

Repasses da Alemanha e Noruega são bloqueados.

Brasil não cumpre acordo de preservação ambiental e tem bloqueado repasses da Alemanha e agora da Noruega. Jair Bolsonaro e Paulo Guedes vivem dizendo que o Brasil está “quebrado” e que é necessário fazer várias reformas para colocar o país nos trilhos. Entretanto, devido ao incontrolável ímpeto de beneficiar o agronegócio, permitindo um desmatamento jamais visto na Amazônia, o governo abre mão de mais de R$ 3,4 bilhões de doação oriundas da Alemanha e da Noruega, que juntas, participam com 99,5% do Fundo da Amazônia. No Brasil, a Petrobras é a única doadora, completando os 0,5% restantes.

O que levantamos como observação é: diante de um “país quebrado pelo PT”, que está prestes a aprovar uma reforma previdenciária desumana, com o objetivo de economizar, Jair Bolsonaro esnoba a contribuição e ainda manda recado: “Eu queria até mandar um recado para a senhora querida Angela Merkel, que suspendeu 80 milhões de dólares para a Amazônia. Pegue essa grana e refloreste a Alemanha, ok? Lá está precisando muito mais do que aqui”. Será que precisamos avisá-lo que não é bem assim, que quem precisa somos nós?

Em entrevista, o ministro norueguês, Ola Elvestuen, afirmou: “O Brasil quebrou o acordo com a Noruega e a Alemanha desde que suspendeu a diretoria e o comitê técnico do Fundo para a Amazônia”. E seguiu: “Eles não poderiam ter feito isso sem que a Noruega e a Alemanha concordassem”. Para ele, “O que o Brasil fez mostra que eles não querem mais parar o desmatamento.”

MP881, O QUE MUDA?

A Balbúrdia do Brasil – Segue o Fio!

A MP881, conhecida como medida da “Liberdade Econômica” é uma medida provisória que faz parte da reforma trabalhista. Foi aprovada ontem, dia 13/08, com 345 votos a favor e apenas 76 votos contra.

Muda 90 partes da CLT e basicamente é mais uma das medidas do governo Bolsonaro para atrapalhar o trabalhador brasileiro e beneficiar os empresários.

Muda muita coisa!

Vamos apontar algumas mudanças significativas, dividindo em:

HORA EXTRA

O trabalho aos domingos e feriados sem remuneração extra são aprovados. Agora a folga no domingo poderá ser só uma vez a cada sete semanas. Acaba com a hora extra do setor de telefonia e telegrafia. Agências bancárias trabalhando aos sábados sem a remuneração extra também.

SEGURANÇA

Pequenas empresas não precisam mais ter CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes). As atividades econômicas só serão fiscalizadas após denuncias feitas, ou seja, não serão por antecipação, abrindo margem para falcatruas e descumprimento da legislação.

O exame médico admissional, aquele feito antes de assinar a carteira de trabalho, não é mais necessário. Abrindo precedentes do empregador, em caso do empregado adquirir alguma condição devido ao trabalho, poder não se responsabilizar, com a hipótese que essa condição seria pré-existente ao contrato de trabalho, pois não terá documento comprobatório das perfeitas condições de saúde no início das atividades.

O fim do eSocial, isso significa que a identificação de trabalho escravo, infantil e insalubre serão muito mais difíceis. Bares, borracharias, startups e outros estabelecimentos não precisam ter alvarás de funcionamento.

AÇÕES TRABALHISTAS

Sindicatos, OAB e outros órgãos de proteção a uma categoria de trabalhão não poderão mais estabelecer um valor mínimo de contribuição. Com o enfraquecimento desses órgãos a luta trabalhista será muito mais difícil.

Patrimônio dos sócios não serão mais usados pra pagar dívidas trabalhistas, o que significa que se a empresa não tiver patrimônio o trabalhador não há de receber qualquer valor num processo ou acerto de trabalho.

Transferência de Lula para o presídio de Tremembé 2

Foto: Mídia NINJA

Hoje, dia 07/08/2019, amanhecemos impactados com a notícia de mais uma arbitrariedade da Justiça Brasileira, a juíza Carolina Lebbos, responsável pela execução penal do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, decidiu, atendendo a requerimento da Polícia Federal, autorizar a transferência do ex-presidente para a penitenciária de Tremembé 2, no interior de São Paulo, a cerca de 150 km da capital.

Fica a pergunta, qual o interesse, o objetivo dessa transferência?

Podemos pensar que exista um desejo sádico desse judiciário: deixá-lo numa situação vexatória, humilhando ele, colocando num espaço ocupado por assassinos, criminosos dos mais diversos delitos. E pior, colocando sua vida em risco, pois estaria sem prerrogativas de ex-presidente. #DefendamLulaUrgente

Essa transferência foi articulada pelo ex-juiz e hoje ministro da Justiça Sergio Moro, que viola a garantia de segurança do nosso ex-presidente, negando o direito à reclusão em sala do Estado Maior.

Nós do FBD, estaremos apoiando e divulgando todas as manifestações pela liberdade e vida do nosso eterno presidente Lula.

O advogado Cristiano Zanin Martins já entrou com liminar no Supremo Tribunal Federal solicitando a suspensão da eficácia da decisão de transferência. Abaixo segue a petição:

Nessa tarde, cerca de 60 parlamentares, entre deputados federais e senadores, de partidos da esquerda e de centro, estiveram com o presidente do STF, Dias Toffoli, para contestar a decisão das Justiças do Paraná e de São Paulo de transferir o ex-presidente. Levado a julgamento em plenário, tendo como relator o ministro Edson Fachin, somente o ministro Marco Aurélio Mello se colocou contrário ao pedido de suspender a transferência.

Imagem: Felipe Amorim/UOL

Foi estabelecido no julgamento que a decisão de hoje é válida até a Segunda Turma do STF julgar o pedido de liberdade de Lula, que teve inicio de análise em dezembro de 2018, mas foi interrompido por um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes.

Máfia de Itaipu

O desrespeito do governo Bolsonaro com a população Paraguaia passou dos limites. O presidente brasileiro, que já apoiou publicamente o ditador Alfredo Stroessner (pedófilo confesso, assassino e acolhedor de nazistas), agora tem a sua gestão envolvida com a elaboração de um contrato que garante ao Brasil, a exclusividade na compra da energia elétrica excedente da hidrelétrica de Itaipu, causando assim um prejuízo de mais de US$200 milhões até 2022 aos paraguaios. Esse acordo só não foi oficializado porque cláusulas “secretas” foram expostas após o vazamento das conversas de WhatsApp entre o lobista e suplente do senador Major Olímpio, ambos do PSL e o presidente da estatal elétrica do Paraguai. 

O interessante é que a notícia repercute apenas em alguns canais de notícias progressistas e por isso dizemos não para a #mafiadeItaipu que se instalou para beneficiar diretamente à empresa ligada aos membros do partido do presidente Jair Bolsonaro.

Prestamos solidariedade ao povo paraguaio.

Plenária de mulheres do Psol sofre intimidação da PM.

(foto: Reprodução/Twitter)

A Plenária de Mulheres é um evento preparatório ao Encontro Nacional de Mulheres do PSOL, para eleger o Setorial de Mulheres do partido, sendo reservado às filiadas do PSOL, e é amparado pelo direito à livre organização partidária.

Neste sábado (03/08/2019), a plenária foi invadida por agentes que pediram documentos as presentes, dizendo estar “monitorando presentes”. De forma arbitraria e com ação policialesca adentraram, não tendo justificativa para tal atitude truculenta, apenas a pura intimidação. Parece que estamos muito próximos a reviver os anos amargos da Ditadura no nosso país.

Precisamos dar um basta! Precisamos ir para as ruas! Chega de abusos, chega de intimidações. Vivemos uma democracia amparada na Constituição de 1988, e não admitimos que nossa carta máxima seja rasgada.

Diretor do Inpe é exonerado

Ricardo Galvão, diretor do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), será exonerado por ter criticado as declarações sensacionalistas do governo a respeito do desmatamento. Ele respondeu, numa das acusações, que “esses dados sobre desmatamento da Amazônia, feitos pelo Inpe, começaram já em meados da década de 70 e a partir de 1988 nós temos a maior série histórica de dados de desmatamento de florestas tropicais respeitada mundialmente”.

O ministro Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia) , após uma reunião de duas horas nessa manhã (02/08/2019), decidiu pela exoneração, seguindo determinação de Bolsonaro, que ontem fez um pronunciamento através de coletiva de imprensa a respeito: “Se quebrar confiança vai ser demitido sumariamente, não tem desculpa para nenhum subordinado ao governo divulgar dado com esse peso de importância para o nosso Brasil. A questão de perder a confiança, no meu entender é uma pena capital. Nem na vida particular convivemos com pessoas que perdemos confiança. Temos muita responsabilidade em identificar se houve má-fé ou não”, disse.

Vale lembrar, que os alertas do desmatamento no Brasil registraram alta de 88% em junho e de 212% em julho, segundo análise feita com base em dados públicos do Inpe, que foram compilados pelo sistema conhecido como Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter). Além de ganhar destaque na mídia brasileira, o avanço do desmatamento foi noticiado pela revista ‘The Economist’ e outras publicações estrangeiras.