Cidade Invisível

Na Tela com a Lari

E hoje na volta do NA TELA COM A LARI, vamos de série Brazuca, sempre bom enaltecer as produções nacionais né mores?! E essa mexeu fundo com as minhas memórias infantis.

Cidade Invisível , série Brazuca, disponível na Netflix.

A primeira temporada vem com 7 episódios de cerca de 40 minutos cada. No decorrer desses episódios vamos juntos descobrir os mistérios da Vila Toré, do passado de Eric e Gabriela e saber ainda como criaturas folclóricas conseguiram se ambientar num mundo moderno. Cidade Invisível chegou na Netflix em fevereiro, e é uma produção original da Netflix, produzida totalmente aqui no Brasil e já temos a boa notícia de que já foi renovada para a segunda temporada, isso mesmo! Se tu não assististe a primeira ainda, corre que tá demais!

A trama é uma história de mistério e ação envolvendo o protagonista Eric, o gato todo poderoso do Marco Pigossi, que gente, cada dia que passa esse homem tá mais bonito! Na Trama ele é um policial que quer descobrir quem são os responsáveis pela morte trágica da sua esposa e nessa busca, nosso protagonista gato, pera que tô enxugando a baba aqui, ele descobre que existem entidades vivendo entre os humanos, na verdade os nossos clássicos personagens do folclore brasileiro, que antes eram apenas lendas. Ele custa a acreditar na teoria, mas vai se deparando com acontecimentos que vão fazendo com que ele enxergue o que está para além do simples cotidiano humano (esse menino não teve avó não?! Porque a minha contava pra gente todas essas lendas e a gente ficava fascinado e morrendo de medo também, era tão bom!) e aí ele começa a reconhecer a existência de figuras como o Boto-cor-de-rosa, Saci-Pererê, a Cuca, interpretada aqui pela deusa Alessandra Negrini, o Tutu marambá, você sabia que o Tutu é irmão do Bicho-Papão e do Boi da Cara Preta, não? Pois é, que família massa né pessoal?!

Tutu Marambá vivido pelo ator  Jimmy London

Nessa busca Eric, personagem de Pigossi, fica bolado porque os mistérios só aumentam quando ele encontra um boto cor de rosa, de água doce na areia da praia. Então, nessa busca para desvendar o assassinato de sua esposa e matar a curiosidade de tantos acontecimentos, ele se envolve com outros personagens misteriosos, como Camila e Inês, que são, na verdade, Iara e Cuca. Aliás quero ressaltar aqui uma cena belíssima! Quando Erick é encantado pela voz da Iara vivida na série pela bela Jessica Córes, ao som de Sangue Latino dos Secos e Molhados, eu revi essas cenas umas 4 vezes, sério isso! Primeiro que eu amo a música e segundo a cena é muito linda.

Jessica Córes da vida a Iara ao som de Sangue Latino dos Secos e Molhados

Aliás, a fotografia dessa série é um desbunde! Cenas lindas que ficam gravadas em nossa memória e que me deu vontade como já disse de rever algumas cenas. É válido ressaltar que a série foi gravada no Rio de Janeiro (e teve várias críticas quanto a isso) e ela faz uma mistura entre o misticismo e o mundo atual, e faz com muita sutileza. E para isso tem um jogo de câmeras muito bem feito que nos mostra muito bem o que a história quer nos passar.

Cidade invisível é uma delícia de assistir, ela te envolve se você já tem familiaridade com o tema e se não tem, vai te dar curiosidade de saber quem são aqueles personagens, que vale a pena ressaltar também e ponto para a série! A caracterização dos personagens é brilhante porque não se prende aos elementos clássicos do folclore, eles conseguem modernizar os personagens sem descaracterizá-los, então é impossível não elogiar o toque moderno que a história ganha enquanto as entidades acompanham e se adaptam para continuar existindo na sociedade contemporânea.

Eu como paraense só senti falta mesmo foi da presença da Matinta Pereira, não sabe quem é?! Ela é uma é uma bruxa que assombra as casas durante à noite e se transforma num pássaro, o “Rasga Mortalha”, minha mãe fazia o assobio dela direitinho gente, eu ficava apavorada! Rindo alto aqui!!! Ela aparece a noite perturbando o sono das pessoas à procura de tabaco. Nesse momento, um dos moradores da casa precisa dizer em voz alta que dará para ela o tabaco e no dia seguinte em sua forma humana ela volta pra buscar, não é de arrepiar?!

Matinta Pereira

Você sabe o que é A rasga mortalha? é o nome popular que se dá, na região norte e nordeste, à uma pequena coruja, de cor branca, de voo baixo. O atrito de suas asas, ao voar, produzem o som de um pano que está sendo rasgado. O povo acredita que, quando ela passa sobre a casa de alguma pessoa doente, ela esteja rasgando a mortalha do doente, que, assim está prestes a morrer. A rasga mortalha só sai na boca da noite. Por isso é conhecida como uma ave agourenta.

Cidade Invisível é uma série de fantasia, logo, teve gente que criticou muito os efeitos visuais, para mim o que a série traz é tão lindo que eu sinceramente não achei ruim os efeitos visuais e ainda acho que a falta de efeitos super elaborados traz a série ainda mais perto do nosso mundo e quero ressaltar também o desenvolvimento dos personagens, todos humanizados e deixando de lado esse papo de inteiramente bons ou maus.

Curupira o grande defensor da Mata

Cidade Invisível teve críticas sérias e que eu espero que a produção e a direção da série revejam para essa segunda temporada. Os Indígenas reclamaram da falta de representatividade na produção, na frente e atrás das câmeras. Já que os personagens do folclore brasileiro apresentados na atração são baseados em lendas e crenças nativas, chama mesmo a atenção a quantidade de intérpretes, produtores e roteiristas brancos envolvidos no projeto, entre eles o cineasta Carlos Saldanha (diretor das animações “Rio” e “O Touro Ferdinando”) e com a total ausência de representantes da cultura retratada. Uma coisa me incomodou muito que foi o Boto-Cor-de-Rosa, chamado de Manaus, e que é interpretado por um ator branco, e já basta aquela versão com o Carlos Alberto Riccelli né mores?!

Não tira o brilho, a força e a beleza da série não! E como disse, faço uma aposta de que os diretores e produtores pensem nas críticas e mudem para a segunda temporada. No mais, corre pra assistir Cidade Invisível que a gente tá precisando sentir orgulho do nosso país e de ser brasileiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *