OS 537 DIAS DE BOLSONARO

por Artemis Zamis

Hoje estamos completando 537 dias do governo do presidente Jair Bolsonaro, em meio a assustadora marca de mais de 50 mil mortos e mais de um milhão de casos confirmados pelo novo Coronavírus, nessa que é a pandemia mais avassaladora desde a gripe espanhola de 1918, período em que morreram em torno de 50 milhões de pessoas no mundo, com cerca de ¼ da população mundial infectada.

O governo assiste absorto, inerte e atabalhoado, o implacável avanço da Covid-19 em todo o país. É o único país do mundo que em meio a enorme crise de saúde que nos atinge, não tem um ministro específico para cuidar e tratar de maneira responsável esse que é o mais grave de todos os problemas que ora nos atinge. Não se vê nem um movimento do governo no sentido de tentar conter o avanço da letalidade da pandemia, nem sequer estudos e atitudes que possam minimizar o sofrimento por que passam grande parte da nossa população. O auxilio emergencial de R$ 600,00 que o Congresso aprovou a revelia do governo que queria na verdade que fosse de R$ 200,00, não chega em todos os que precisam e aos poucos que chegam, vem sempre carregados de toda dificuldade de saque possível, demonstrando todo o despreparo e todo o desprezo que o governo tem por seu povo. Por que não mais é dado o devido valor a vida? Por que abandonaram os mais pobres? Como imaginam uma economia sem trabalhadores?

O que assusta de fato é que são 537 dias de escândalos na família e no governo como um todo. Assusta a ministra da pasta da mulher, da família e dos direitos humanos pedir a prisão de governadores, assusta um ministro da educação pedir a prisão de ministros do STF, ser alvo de inquéritos, assusta um ministro do Meio Ambiente se valer da pandemia pra deixar que a boiada do desmatamento passe, assusta todos os dias ver o presidente inadvertidamente atacar um ou outro poder da República, assusta saber que é por tudo isso que não lhe sobra tempo para pelo menos aprender a governar.

São 537 dias de tormenta e desesperança. Dias sombrios onde prepondera apenas ameaças a desafetos as instituições. O Brasil está sob o domínio do fanatismo ideológico. Esse fanatismo fez desaparecer a dúvida que é um fundamento crucial a construção de ideias e deu lugar as absurdas certezas, que é na verdade o fundamento principal do fanatismo ideológico. O negacionismo advindo desse ideologismo é a consequência do agravamento desse desastre na maneira de tratar a pandemia.

São 537 dias em que se assiste uma verdadeira pregação do absurdo como forma de manipular a população, com uma imitação clara do que acontece nos EEUU, Filipinas, Turquia e Hungria com seus governos projetados para chocar. A vida deixou de ser um bem maior para ser apenas uma peça nesse xadrez do horror.  

O Brasil precisa mudar seu rumo e isso é urgente. Nenhum país pode se inserir economicamente no mundo moderno, com um governo submerso em lama de escândalos e ideologias obscuras e sem nexo algum.            

O Brasil e seu povo precisa voltar a sua normalidade e é imperativo que nos movimentemos para cobrarmos medidas certas, concretas e eficazes para a nossa nova normalidade pós pandemia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *