Prevenção Combinada: o Melhor dos Remédios

por Felipe Arthur Faustino de Medeiros
Residente de Infectologia
Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Fevereiro no fim, levando com ele a grande festa brasileira: o Carnaval. Depois de muitos embalos e folias por todos os cantos do país, temos um grande momento para falar sobre prevenção para aquisição de HIV e outros IST. E aí, você que está lendo pode estar se perguntando: mas prevenção não vem antes? Pois é nesse contexto que entra esse texto trazendo algumas informações bem importantes sobre como se prevenir antes, durante e depois do sexo.

O conceito de prevenção combinada, voltada ao combate ao HIV e situações associadas a infecção, traz consigo ações biomédicas como por exemplo, o uso de PrEP, da PEP e o tratamento de todas as pessoas que convivem com HIV visando uma carga viral indetectável), ações comportamentais (como a testagem regular para HIV e outras IST e Hepatites Virais) e também intervenções estruturais, as quais são voltadas para abordagens com políticas públicas, aspectos socioculturais e econômicos, visando a garantia da abordagem do tema e garantir meios para que a mesma ocorra.

Abordarei nesse texto apenas partes do grande conceito da prevenção combinada, tentando trazer dois aspectos que julgo importantes nesse momento, pensando que a exposição já aconteceu. E ela pode ocorrer de diversas formas: o preservativo estourou, não se usou preservativo na relação de penetração, ou teve contato com sêmen na boca no sexo oral, compartilhou seringas no uso de substancias injetáveis etc. São várias maneiras de entrar em contato, mas o que não cabe em nenhum momento é o julgamento de certo ou errado nas atitudes tidas por você ou por outra pessoa durante o sexo, e sim o esclarecimento e busca por auxilio.

Se você se expos numa relação sexual, com contato com fluidos corporais, sem uso de proteção ou método de barreira, sem saber o status sorológico da mesma ou mesmo sem saber seu próprio, é hora de buscar um local para realizar a testagem para HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis.

A testagem em centros de testagens e aconselhamento (CTA) é gratuita e disponível para todos que quiserem a mesma. Normalmente são realizados testes para HIV, Sífilis, Hepatite B e Hepatite C, sendo os mesmos na forma de testes rápidos, e em menos de uma hora a pessoa pode sair com todos esses resultados em mãos, acompanhados de aconselhamento por um profissional e saúde capacitado, além de encaminhamentos em caso de necessidade de acompanhamento e tratamento para as mesmas.

É sempre bom lembrar que se a exposição ocorreu hoje ou ontem, o teste que você faz pode não vir positivo. Temos que lembrar que as doenças tem suas janelas imunológicas, tempo em que o sistema imune demora para detecta-la e produzir anticorpos contra a mesma, mostrando assim a positividade nos testes. Por isso, a testagem regular é uma grande ferramenta de prevenção e pode ser realizada sempre que a pessoa se expor à uma situação em que julgue de risco de adquirir IST.

Pensando no agora, estourou a camisinha, eu não conheço ele/ela, o que eu faço? Os CTAs também são porta de entrada para a realizar de PEP (profilaxia pós-exposição), que consiste num método biomédico para a prevenção da aquisição do vírus do HIV. Após a exposição, você tem até 72hrs para buscar atendimento e iniciar a terapia antirretroviral para a profilaxia pós exposição.  Nesse método, a pessoa exposta tomará 28 dias de medicação para impedir que vírus entre em seu sistema e cause a infecção propriamente dita. Além da medicação, o acompanhamento será realizado de forma continuada e não apenas pontual, pois como dito anteriormente, a medicação serve para a prevenção apenas do HIV, e não das demais IST.

Temos que entender que a melhor forma de se prevenir é conversar sobre, se esclarecendo das formas de contágio das infecções, realizar testagem regular, procurar o auxílio no local correto, usar preservativos, usar PrEP, tratar o HIV e se manter indetectável que vão fazer com que consigamos reduzir os números de novas infecções e mortes por HIV e outras IST. As festas e os fervos continuam e devem continuar, o prazer nas relações importa e muito, e aliando o conhecimento de técnicas de prevenção tudo fica ainda melhor para todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *